Blog sobre design, criatividade e comunicação :)

Como Definir Prioridades

Por 30 de outubro de 2018Freela e Startups
como definir prioridades
Próximo Post
Post Anterior

Além de sabermos executar as tarefas a gente precisa saber como definir as prioridades. Senão a gente pira.

Muitas pessoas de meu círculo de contatos e que atuam na área de criação já me confessaram que são avessas a bons hábitos de organização e produtividade: ter (e utilizar) uma agenda, manter na mesa de trabalho somente itens que são de utilização imediata, estabelecer um padrão de nomenclatura e localização dos arquivos no computador, praticar técnicas de produtividade como Pomodoro e GTD, planejar as atividades da semana…

E nessa turma que é avessa a tais hábitos surgem aqueles que até falam com um pouco de orgulho:

“Haha é assim mesmo! Todo designer tem dificuldade pra manter o foco e ser organizado”.

Acontece que essa aversão, esse comportamento e hábito de desorganização geram vários problemas no dia a dia de quem os pratica e listo alguns: retrabalho, custos desnecessários, estresse, sobrecarga, bloqueio criativo e por aí vai. E destes problemas destaco um grande, que é gerado também por esses hábitos e comportamentos:

  • a dificuldade pra definição de prioridades.

Mas hoje pra mim tudo é prioridade.

Não, não é. Você está enganado, não existe mais que uma prioridade ao mesmo tempo. E por algum motivo, por algum critério, você terá que decidir entre fazer determinada tarefa e deixar de fazer outra.

Nós não somos multitarefa.

Pensar de maneira negativa, se desesperar, assumir que tudo está perdido e tudo é prioridade só vai te deixar mais preocupado e tenso. Daí pra “cegueira” momentânea é um pulo! Parece que a gente dá uma travada, certo? A gente não consegue dar um passo à frente porque pra gente naquele momento “tudo é prioridade e não sabemos por onde começar”.

Então, a partir de agora reconheça que só há uma prioridade de cada vez.

Tá, mas o que devo fazer primeiro?

Lembre do hospital, do pronto-socorro. Quando a gente precisa ir ao pronto-socorro passamos por um profissional de plantão que nos analisa, pergunta o que a gente tem, o que a gente tá sentindo e então nos dá uma pulseira verde, amarela ou vermelha.

Tenho uma ótima notícia: você será o último a ser atendido!

Isso é uma triagem, o médico nos analisou e nos classificou de acordo com critérios da medicina que definem quem vai ser atendido primeiro. É óbvio que é da vontade e responsabilidade do médico manter todo mundo vivo e com essa triagem ele escolhe quem será atendido rapidamente para que permaneça vivo.

Processo semelhante precisa acontecer em nosso dia a dia pra definirmos qual tarefa deverá ser executada primeiro. A gente precisa fazer, seguindo alguns critérios, uma triagem de tarefas e a essa triagem dá-se o nome de Matriz GUT.

E como é feita a triagem de tarefas?

Nós analisamos cada tarefa e damos a ela notas de 1 a 5 de acordo com os seguintes critérios:

  • Gravidade
  • Urgência
  • Tendência

Na gravidade a gente analisa o quão grave é para a empresa, para a equipe, para o job, para o processo como um todo se determinada tarefa não for executada. A gente analisa qual é a gravidade dos impactos gerados se a tarefa não for executada. As notas são:

1 = sem gravidade
2 = pouco grave
3 = grave
4 = muito grave
5 = extremamente grave

A urgência é o critério que utilizamos pra analisar o tempo disponível que temos para executar tal tarefa. Note então que precisamos ter uma referência que deve ser o prazo estipulado para execução dessa tarefa, o prazo é obrigatório para utilizarmos a urgência como critério senão ficamos sem referencial pra aplicar este critério. As notas são:

1 = não tem pressa
2 = pode esperar um pouco
3 = o mais cedo possível
4 = com alguma urgência
5 = ação imediata

Por fim e não menos importante temos a tendência. Ela é a análise que fazemos sobre a probabilidade do problema se agravar com o passar do tempo se nada for feito pra solucioná-lo. As notas são:

1 = não vai piorar
2 = vai piorar em longo prazo
3 = vai piorar em médio prazo
4 = vai piorar em pouco tempo
5 = vai piorar rapidamente

Essas análises são feitas atribuindo notas de 1 a 5 para cada critério em cima de cada tarefa. Sendo um o nível 1 o mais baixo de gravidade, urgência e tendência e o nível 5 o nível mais alto.

Que tal um exemplo prático?

Pra tornar mais simples a explicação segue um roteiro de como aplicar esse processo de priorização em nosso dia a dia:

Passo 1: liste todos os seus problemas/tarefas
Passo 2: classifique cada um de acordo com os 3 critérios (gravidade urgência e tendência) usando pra cada um as notas de 1 a 5
Passo 3: faça o ranking dos principais problemas multiplicando as 3 notas de cada critério que você fez no passo 2
Passo 4: execute as tarefas que tiverem o resultado mais alto da multiplicação primeiro.

Neste exemplo nós executaríamos a tarefa de número 2 primeiro, depois a de número 5, na seguida a de número 4 e assim sucessivamente de acordo com as notas.

Com a matriz GUT a gente consegue identificar com clareza os pontos fracos que precisamos dar atenção para que as tarefas que sempre caem em nível de alta urgência deixem de sê-lo, por exemplo.

Outro benefício da matriz é que podemos alocar nossos recursos de equipe e dinheiro de maneira mais assertiva. A gente sabe qual problema devemos atacar primeiro e se deveremos contratar hora-extra na nossa equipe ou remanejar alguém pra ajudar na tarefa urgente.. Sabemos se precisaremos pedir outro computador emprestado pra alguém…. Enfim, a matriz é muito, muito útil.

Espero ter ajudado. Se tiver alguma pergunta sobre prioridades, matriz gut ou outro assunto referente ao tema pode falar comigo nos comentários. Grande abraço!

Próximo Post
Post Anterior
Gostou? Então nos ajude compartilhando :)

Apaixonado por design gráfico e fotografia. Co-fundador do site www.petmood.com.br. Pai babão, esposo apaixonado e fotógrafo de mentirinha.


E aí, o que achou? Deixe seu comentário.