Blog sobre design, criatividade e comunicação :)

Como o Marketing de Comunidade ajuda sua marca a conquistar fãs

Por 19 de março de 2020Marketing e Publicidade
marketing-de-comunidade-blog-design-com-cafe
Próximo Post
Post Anterior

A estratégia que busca criar e manter a sua empresa de braços dados com seus clientes, acompanhando de pertinho suas ações e movimentos na tentativa de oferecer melhores produtos, serviços e experiências a partir das suas necessidades é chamada de marketing de comunidade. Em contrapartida a sua marca ganha a fidelidade, a admiração e o amor das pessoas envolvidas.

O conceito de comunidade pode ter várias interpretações. Cada um traz suas percepções ao ser perguntado sobre o significado da palavra que pode dar a ideia de uma tribo, pessoas alternativas vivendo juntas, acadêmica,  do bairro, de grupo de leitores, a sociedade, a galera que se junta para correr na rua ou andar de bike e até as comunidade digitais. Essas experiências podem ser on-line ou off-line.  

Trazendo essas ideias para o universo das empresas e das marcas, muitas delas estão se apropriando desse conceito plural para conectar clientes e potenciais clientes. Elas estão descobrindo a força que as pessoas com gostos e preferências em comum podem fazer juntas quando se apaixonam por uma marca.

Desde criar comunidades digitais no Facebook ou no Linkedin, aplicativos, realizar eventos, criar clubes e ações que reúnam pessoas que trocam ideias, compartilham jeitos novos de usar um produto, que reclamam e dão sugestões, oferecendo oportunidade para as empresas desenvolverem produtos e serviços melhores. 

O que é Marketing de Comunidade?

O Marketing de Comunidade é um espaço aberto para a criatividade, para as construções coletivas onde todos os envolvidos nesse movimento ganham.

Essas pessoas conectadas sentem-se parte da empresa, divulgando, compartilhando e até defendendo a marca publicamente. Foi o que a Apple foi capaz de fazer nos últimos anos com muito dedicação e foco na experiência do cliente.

marketing-de-comunidade-iphones

Muitas vezes os próprios clientes se juntam de maneira orgânica para fazer ações, combinam eventos e trocam vivências a partir de uma marca. Mas quando esse ambiente de comunidade é criado pela própria empresa, ela colhe os frutos de perto acompanhando o que é dito, propondo ações orientadas e apresentando projetos novos.

Mas na prática, como as empresas estão lançando mão da estratégia do Marketing de Comunidade para atrair e conquistar apaixonados e embaixadores das marcas?

Um exemplo regado à vinho

A Wine, e-commerce de vinhos capixaba, criou uma comunidade nacional de pessoas que sequer bebiam vinhos. Mudou a forma de pensar o consumo da bebida que não tem preferência nacional, seja pelo hábito e pelo clima brasileiro. 

A empresa ofereceu o acesso a rótulos diversos para todos os bolsos, criou o Clube Wine, hoje com mais de 140 mil sócios, a revista impressa, os combos e promoções, datas comemorativas como o “hallowine”, curadoria de vinhos e a Wine-box que garante a entrega das garrafas enviadas mensalmente para os assinantes.

Cria também muito conteúdo online ensinando sobre a bebida, dicas de consumo, ideias para harmonização nas mídias sociais, produtos e rótulos exclusivos e competições. O instagram @winevinhos tem quase 350 mil seguidores. Todas essas são ações do marketing de comunidade.

No meu último artigo, quando escrevi sobre os multipotenciais, citei também o exemplo da Emilie Wapnick, que criou uma comunidade ao conectar pessoas com essa característica mundo afora.

Um brinde às experiência integradas

Hoje a Wine tem a primeira loja física na capital mineira, apostando também no conceito de omnichannel (experiência online + off-line). Na loja os clientes têm a acesso a um scanner que mostra as informações dos produtos pela leitura do código de barras pela tecnologia Scan &Show. 

Os clientes também assistem a vídeos (tecnologia Lift & Learn) sobre a região onde os vinhos foram produzidos e também fazem o pagamento pelo WineUp. E podem comprar os vinhos na loja online e retirá-los presencialmente.

As inovações potencializam as experiências dos clientes que agora tem espaço para degustação. E o projeto não para por aí: nos próximos anos as 30 principais cidades do país terão uma loja como essa.

marketing-de-comunidade-wine
Loja física Wine em BH

Economia criativa

Tenho acompanhado de perto a startup @espiritocriativo que está em pré-aceleração na Azys Inovação. Oriento o projeto que está desenvolvendo seu modelo de negócio baseado no conceito de marketing de comunidade.

A CEO Lara dos Anjos está realizando eventos, meetups e criando conteúdos online que conectam os profissionais da economia criativa como designers, arquitetos, comunicadores, artistas, fotógrafos que possam oferecer juntos soluções para empresas que também queiram fazer do marketing de comunidade a sua estratégia.

Para isso, a Espírito Criativo já percebeu que precisa além de conectar, ajudar a capacitar esses profissionais a partir dos principais desafios que eles encontram pelo caminho como a valorização do trabalho, dificuldade para comunicar o que oferecem e o preço a ser cobrado pelo trabalho entre outras questões.

Pela plataforma da Espírito Criativo os profissionais poderão acessar uma metodologia colaborativa de desenvolvimento de projetos, fazer cursos e capacitações, que tem a intersecção entre áreas como ponto alto para oferecer soluções integradas e criativas para as empresas parceiras e suas marcas.

Esses e tantos outros exemplos fazem do marketing de comunidade uma oportunidade de alinhar expectativas e organizar critérios entre as marcas e os clientes. Além disso, é um espaço que com o tempo vai reunir histórias e resolver problemas reais para as pessoas.

Se você tiver uma vivência para contar ou tem uma ideia de marketing de comunidade, vamos conversar mais! Na conexão é onde quase tudo acontece! ☺

Próximo Post
Post Anterior
Gostou? Então nos ajude compartilhando :)

Jornalista, mineira, atua na área de gestão de marketing, comunicação e projetos há quinze anos, com experiências nas áreas pública, privada e terceiro setor. É cofundadora da Azys Inovação, que orienta empreendedores e as empresas a viverem o empreendedorismo inovador na prática. Cria e produz eventos culturais na área de música erudita, teatro e publicações por pura paixão à arte.


E aí, o que achou? Deixe seu comentário.