Blog sobre design, criatividade e comunicação :)

Designer Gráfico Freelancer: Como Iniciar o Seu Próprio Negócio

Por 18 de dezembro de 2018Design, Freela e Startups
Designer grafico freelancer
Próximo Post
Post Anterior

Quer iniciar a sua própria carreira de design gráfico freelancer? Como começar essa jornada de empreendedorismo? Este passo a passo pode te ajudar.

Um erro comum percebido no designer gráfico freelancer que se lançou no mercado há pouco tempo é que, por ser pequeno, ele tem a ideia errada de que pontos como marketing, aprendizado contínuo, branding, precificação, assuntos jurídicos e mais outros tão importantes podem ser tratados “depois”, “outra hora”. E daí o tempo vai passando, as turbulências no negócio aparecem (elas sempre vêm, isso faz parte) e este pequeno negócio não está minimamente preparado pra elas. E surge o caos, surgem as urgências, os incêndios que têm que ser apagados…

Quando falamos na criação de um negócio de designer freelancer há a necessidade de planejamento, de pensar e de estruturar antes de fazer, antes de colocar a mão na massa. E o fato de ser pequeno, de ser só você no negócio, não diminui a força dessa necessidade. Ser cuidadoso com o planejamento enquanto profissional independente é de muita importância pois os erros para os pequenos empreendedores são muitas vezes difíceis de ser reparados devido às limitações de recursos.

Eu sou designer gráfico independente e compartilho com você alguns passos que me ajudaram (e sempre ajudam) na construção diária de meu próprio negócio de design gráfico:

Passo 1 – Reflita sobre o seu nível de motivação

Motivação e comprometimento são sempre importantes para a construção de qualquer tipo de negócio que queira ser bem sucedido. Então você deve se perguntar todos os dias:

“Estou motivado o bastante? Estou totalmente comprometido?”

Se a resposta for “sim” então você já superou uma das maiores dificuldades. Muitas pessoas batem cabeça e têm dificuldade de lidar com a criação de seu próprio negócio porque não são totalmente comprometidas e não colocam toda sua energia e determinação como base da estruturação do negócio.

Se a sua motivação para iniciar o seu próprio negócio de design gráfico vem simplesmente porque você conseguiu alguns clientes ultimamente, pense novamente, reflita um pouco mais. Esta não deve ser a única razão pra você investir tempo e dinheiro na criação de um negócio, porque iniciar uma empresa é difícil, é pesado. Você vai ter que lutar todos os dias. E sem uma motivação real, genuína, que vem de dentro do coração, você vai ficar tentado a desistir quando as dificuldades aparecerem.

Haverá épocas difíceis. Clientes vão escolher seus concorrentes, a grana vai dar uma apertada, dias em que achar um trabalho vai ser difícil. Mas será a sua motivação e vontade de ter sucesso que vão manter você na caminhada, que vão manter você indo em frente e se você não estiver motivado o suficiente não levará mais que poucos meses pra você dar lugar a dúvidas sobre você mesmo e sobre a sua escolha de ter iniciado o seu próprio pequeno negócio de design gráfico.

Entretanto, se você estiver fortemente auto motivado isso é tudo o que você precisa pra seguir em frente. Se você é apaixonado por design gráfico isso vai levar você por um longo caminho com o seu negócio!

Passo 2 – Compreenda suas habilidades

Design gráfico é uma área muito ramificada, há muita coisa a ser explorada. E se você quer montar o seu próprio negócio de design gráfico é necessário que entenda o seu próprio nível de habilidades.

Em que você é bom e em que você precisa melhorar?

Será necessário que você descubra com clareza o que os clientes que você está prospectando esperam de um designer gráfico. Existe a possibilidade de você não estar preparado para alguns dos serviços que eles precisam. E entender o que o seu público quer, o que os seus clientes estão pedindo, te fará perceber qual assunto em que você precisará se aprofundar mais, o que precisará aprender para atendê-los e não perder oportunidades de negócios.

Usualmente, estas são algumas das demandas mais pedidas para o designer gráfico freelancer: 

  1. Branding, estratégia de branding
  2. Design de logotipo
  3. Web design
  4. Design para mídias sociais
  5. Animação
  6. Tipografia
  7. Diagramação de impressos
  8. Infográficos

Nos Estados Unidos o mercado de design gráfico deverá movimentar $15bi em 2018 e design de logotipo e branding vão abocanhar $3bi desse movimento. Ou seja, quase 20% de tudo o que será movimentado em design gráfico nos EUA serão nas áreas de logo e branding. Isso é muito expressivo. Eu não localizei pesquisa semelhante com dados aqui do Brasil, se você tiver esses números coloca a fonte pra gente nos comentários deste post?

Então, atém de sua paixão, além da área de design gráfico pela qual você é apaixonado, você também precisa analisar o mercado atual e suas tendências. Compreenda suas próprias habilidades e determine como você pode aumentar sua competência dominando e expandindo tais habilidades.

Passo 3 – Desenvolva novas habilidades

Em design gráfico é comum um cliente chegar até você por causa de uma determinada demanda e no desenrolar do serviço você perceber que pode também atendê-lo em outra área. Não é incomum um cliente chegar até ao designer para a criação de uma nova identidade visual e durante a execução deste projeto aparecer outras oportunidades como a construção de um novo site que se comunique com a identidade criada.

Maos fazendo jarro de barro

É necessário expandir horizontes, entender e perceber o que o mercado está te pedindo e então decidir se é viável se adaptar a ele. Se o mercado está te pedindo infográficos, aprenda esta nova habilidade, se ele está te pedindo estratégia de branding, aprenda esta nova habilidade.

Reforço que sou contra o termo “faz tudo”. É difícil encontrar um designer que faz tudo e demonstre excelência em tudo o que faz. Esta excelência vem com a especialização, com o foco, com o estudo e prática intensa em determinado campo dentro do design gráfico. Mas nada te impede de ser especialista em um campo e perceber uma ou outra área que o mercado esteja demandando e se aprofundar mais nela para fazer novos negócios. Pode ser proveitoso você escolher quais áreas em que vai atuar e nessas áreas aprender novas habilidades.

Eu assinei por um tempo a Skillshare, fiz vários cursos na Udemy, gasto o Youtube todos os dias, sigo perfis relevantes, compro cursos. Sempre estou aprendendo.

Passo 4 – Identifique potenciais clientes

Determinar o seu público alvo é um dos mais importantes passos no início de seu negócio de design gráfico. Há centenas de categorias diferentes ou segmentos que você pode considerar.

Seu plano é atender grandes e médias empresas ou empreendedores locais, pequenos negócios? Sua clientela será formada por jovens recém formados em educação física que precisam se estabelecer como personal trainner? Quais outras clientelas específicas você vai atender no início?

Determine seu público alvo e então verifique se você tem habilidades que são suficientes para atender as necessidades deste público.

Agora você pode desenvolver o seu plano de marketing e modelo de negócios que vão alcançar este público alvo.

Passo 5 – Não ande sozinho, conecte-se

Tem muitas pessoas que podem ser ajudadas por você e muitas outras pessoas que podem (e querem) te ajudar. Na jornada da construção de meu negócio como designer gráfico tenho experimentado momentos muito valiosos quando estou com outros profissionais, quando faço o valioso networking.

Procure grupos de empreendedorismo em sua cidade e se inscreva, pegue algum projeto como voluntário pra seu nome começar a aparecer no meio empreendedor de sua região. Participe de encontros, palestras, workshops, seminários, bate papos… há muitas formas de você começar a se movimentar neste sentido.

Eu tenho perto de mim a minha esposa e um grande amigo que são designers gráficos muito experientes e que já estão há anos no mercado e a gente sempre troca ideia sobre os nossos trabalhos. Sempre compartilhamos nossos projetos um com o outro, pedimos opinião e juntos amadurecemos um pouco mais o nosso aprendizado. Fique perto de alguém que compartilha mesmos valores que os seus, que acredita no seu trabalho e com quem você também possa colaborar, possa ajudar. Essa troca, esse compartilhamento é muito valioso, e traz amadurecimento  pessoal e profissional para você dois.

E o retorno vem! Ao se movimentar pra encontrar outras pessoas você sempre aprende algo com a experiência compartilhada entre vocês e muitos novos negócios são gerados nestes encontros. Conecte-se!

Passo 6 – Não entre na guerra dos preços

Nesta fase de planejamento é fundamental que você saiba quais seus os seus custos fixos e variáveis e determinar quanto você quer ganhar por mês. Com esses dados você saberá dar preço aos seus trabalhos e assim viver de design gráfico.

Utilize nossa calculadora online pra precificar os seus projetos:

banners lateral calculadora

E assuma uma verdade: sempre haverá alguém que cobra um preço abaixo e alguém que cobra um preço acima do seu pra prestar o mesmo serviço que você presta.

Saiba o quanto você precisa cobrar em cada trabalho para pagar as contas, pra reinvestir no negócio e pra viver de sua profissão e posicione-se no mercado. É aceitável que no início de sua jornada empreendedora você possa cobrar menos do que gostaria pra entrar no mercado, pra construir sua autoridade e reputação como designer gráfico. Isso pode ser uma estratégia de entrada.

Aos poucos você será percebido como um designer que gera resultados para seus clientes, construirá o seu nome no mercado e então poderá aumentar o preço de seus projetos.

Passo 7 – Fique de olho nos assuntos jurídicos

Recomendo fortemente que registre seu CNPJ pois com ele muitas portas estarão abertas para você conquistar novos clientes. Quando seu cliente percebe que ele está conversando com uma empresa, que ele receberá nota fiscal, que ele pode consultar a idoneidade da empresa à qual vai confiar a sua marca, ele fica mais confiante e seguro.

Você pode obter o seu CNPJ como micro empreendedor individual (MEI) online e procurar a prefeitura de sua cidade pra se informar o que deve ser feito pra você começar e emitir nota fiscal.

Sempre faça um contrato com o seu cliente a cada novo serviço. Registre todas as obrigações e direitos das partes que farão parte do contrato, se possível leve o contrato para um advogado ler e verificar se os termos são válidos.

Passo 8 – Tenha um local de trabalho apropriado

Eu trabalho em casa, em home-office e os meus clientes podem ser perfeitamente atendidos dessa forma. Se a sua clientela necessita de um escritório, de uma sala, se o seu modelo de negócios exige um espaço para atendimento pode ser que o modelo home-office não se adeque à sua realidade.

Você pode ter um orçamento pequeno que lhe permita investir pouco em um espaço de trabalho, entretanto assegure-se de o local seja suficiente para a execução dos projetos que você pretende atender.

Seja em casa ou em uma sala comercial você tem que estar num local livre de interrupções e distrações. Ter um espaço de trabalho adequado é vital para garantir profissionalismo e aumentar sua produtividade, além de também ser uma forma de causar boa impressão aos seus clientes. 

Passo 9 – Compre as ferramentas certas

Você precisará de equipamentos que lhe atendam com segurança nas atividades de criação. E criação em design gráfico demanda bons equipamentos. É recomendado um computador com alta performance que consiga responder com rapidez a intensa atividade de design.

Será necessário também comprar ou assinar pacotes de softwares profissionais. Eu assino um plano da Adobe e estou sempre atualizado com os últimos recursos e estou bem atendido com o suporte técnico daquela empresa. O que me dá segurança e agilidade pra atender meus clientes.

Conjunto de ferramentas

Dependendo do tipo de serviço que você prestará, faça uma pesquisa detalhada pra identificar em quais softwares, serviços e equipamentos você precisará investir.

Esse é o tipo de investimento que vai te trazer bons retornos, então vale a pena um esforço financeiro maior nesta etapa.

Passo 10 – Tenha um site e um email profissional

Assim que você colocar a cara no mercado as pessoas vão pedir o seu site, o seu portfólio. O seu site profissional vai servir pra duas coisas em seu negócio de design gráfico freelancer:

A primeira delas é que o seu site será um ponto de contato onde os seus clientes poderão encontrar você online. Eles vão fazer contato com você através do seu website pra pedir orçamentos e fazer os seus pedidos, tirar as suas dúvidas.

Depois, o seu site será o seu portfólio online e você precisa mantê-lo atualizado. Use esta plataforma pra mostrar seus melhores trabalhos e clientes mais importantes e assim você vai construir reputação e confiança no mercado.

fólio online e você precisa mantê-lo atualizado. Use esta plataforma pra mostrar seus melhores trabalhos e clientes mais importantes e assim você vai construir reputação e confiança no mercado.

O site vai permitir que potenciais clientes tenham uma clara ideia de suas habilidades, então reserve tempo pra desenvolver um belo site para o seu negócio. E não esqueça de ficar atento às regras de SEO pra ter certeza de que seu site seja encontrado por pessoas que busquem por profissionais de design gráfico no Google.

Inclusive, estou dando uma repaginada em meu portfólio e te convido a conhecer o meu trabalho: www.nogarol.com.br

Além do site profissional transmitir mais segurança e confiabilidade ao seu potencial cliente, utilizar um email profissional também transmite isso. O peso que existe em eu enviar uma proposta comercial utilizando o endereço [email protected] é muito inferior ao impacto positivo que eu posso criar ao enviar a proposta com o email [email protected]

É trabalhando os detalhes que a gente causa diferença!

Passo 11 – Desenhe seu plano de marketing

Marketing é fundamental para qualquer negócio. Não importa o quão bom você é o que você faz, suas habilidades serão inúteis se você não estiver apto pra encontrar as pessoas que podem fazer uso dessas habilidades.

Então assegure-se de que você tenha um plano de marketing sólido e execute-o com muito cuidado. Você pode ir por caminhos tradicionais e não convencionais de marketing, pode investir em revistas e outros impressos pra mostrar o seu nome. Pode utilizar mídias sociais, marketing digital, pra também aumentar o alcance de sua marca para seu público alvo.

O seu plano de marketing vai depender do tipo de consumidor que você quer atender.

Passo 12 – Tenha fé

Essa é bem pessoal, é um relato. Fé a certeza daquilo que a gente não vê. Tenho fé em Deus, acredito que Ele cuida de mim, em todos os aspectos de minha vida, inclusive cuida do aspecto profissional. E nessa fé tenho vivido dias vitoriosos em minha jornada de designer gráfico independente. Peço a Deus sabedoria, criatividade, cliente, coloco diante dEle os momentos difíceis, chamo Ele pra ser sócio, comemoro as vitórias com Ele… E tem funcionado. Tenha fé!

Conclusão

Lembre-se sempre de que planejamento e execução são muito importantes para o sucesso de qualquer negócio e ao mesmo tempo você vai precisar de 100% de comprometimento em seu trabalho.

Ter um claro entendimento da sua proposta de valor, do que você vai oferecer ao mercado e de quem compõe este mercado é vital para o sucesso. Você precisar focar em seu público alvo específico.

Ande acompanhado, envolva-se com o circuito empreendedor de sua região, conecte-se pra ajudar outras pessoas e ser ajudado.

Confie em si mesmo, seja consistente e paciente durante a sua jornada. Com o tempo você verá seu negócio crescer e criar mais impacto no mercado.

No fim do dia vai ser a sua forma de encarar a vida e a sua perspectiva que farão a diferença. Seja positivo durante sua caminhada e você de repente verá o sucesso bater na sua porta.

E tenha fé!

Próximo Post
Post Anterior
Gostou? Então nos ajude compartilhando :)

Ajuda empresas que possuem um bom produto ou serviço a potencializar a sua marca e assim levar a organização a um próximo nível. Designer de marcas especializado em Identidades Visuais e Logotipos. Foi empreendedor na área de e-commerce, vive sob a Graça todo dia, é pai babão, esposo apaixonado e fotógrafo de mentirinha.


E aí, o que achou? Deixe seu comentário.